P600 AEW foi apresentado no Salão Aeronáutico de Le Bourget, em Paris. A aeronave é o primeiro item com intuito militar fabricado pela Embraer Defesa e Segurança após a criação da Boeing Brasil — Commercial, empresa que surgiu em decorrência da compra da divisão comercial da Embraer.

O jato de alerta e inteligência foi desenvolvido com base na plataforma do Praetor 600. Compacto, ele conta com 8,7 mil km de alcance máximo na opção civil, mas é provável que a versão militar atinja algo em torno de 7,5 mil km devido ao peso dos equipamentos e sistemas.

Tecnologia na construção

De acordo com as informações divulgadas pela fabricante, a produção do avião será feita por meio de uma parceria com a companhia israelense Elta Systems, que será a responsável por entregar o vasto sistema eletrônico do modelo: sensores de inteligência, de vigilância e de coleta de informações e sistema eletrônico de quarta geração que conta, por exemplo, com radar de alerta antecipado ELM-2096.

Já a Embraer tomará conta da produção técnica do jato, dos sistemas de comunicação, dos recursos de terra e da integração de sistemas. A companhia destaca também que a configuração do acordo de cooperação será de um trabalho meio a meio entre as empresas envolvidas.

Outro ponto reforçado pela própria Embraer é que o modelo militar P600 AEW tem como foco um mercado que tem crescido nos últimos anos, o de aeronaves de inteligência, reconhecimento e vigilância. E isso é facilmente percebido quando avaliamos os investimentos em inteligência artificial feitos no jato e que permitirão comunicação por satélite, enlace de dados e recursos de guerra focados em rede (NCW).

Esse novo modelo conseguirá, por exemplo, realizar ações de monitoramento trazendo imagens de atividades aéreas em setores que estão fora da cobertura de radares terrestres, de forma a contribuir em missões de alerta antecipado, defesa, vigilância marítima, entre outros.

Via TecMundo