O painel de Lana Parrilla na sexta-feira de CCXP19 foi abarrotado de fãs de Once Upon a Time, que pedem pelo retorno da atriz desde sua primeira visita ao evento, em 2015. A visita, no entanto, só foi possível uma vez que a série se encerrou em 2018: “Eu nunca pude voltar porque eu estava sempre filmando em dezembro, eles não me deixavam vir. Agora que a série acabou eu consegui”. A oportunidade rendeu para que Parilla relembrasse os momentos de Rainha Má na frente dos fãs, ainda abrindo portas para um retorno ao papel.

“A história de regina acabou. Por agora. Quem sabe?”, ela disse, para delírio dos fãs. Quando percebeu que pode ter criado uma ilusão aos seus seguidores, a atriz logo emendou: “Eu não sei! Realmente não sei”, mas completou: “Com sequências e reboots, nunca dá para saber”. 

O painel exibiu diversas cenas da atriz contracenando com ela mesma, na era em que Regina e a Rainha Má se dividiram em Once Upon a Time. As lembranças, inclusive, fizeram Parrilla derramar lágrimas de emoção no painel: “Quando os roteiristas me disseram que a Rainha Má voltaria e que eu ia atuar com ela, eu não fazia ideia de como ia funcionar. Foi um dos maiores desafios de minha carreira”, ela relembrou. A dificuldade, no entanto, é bom em retrospectiva: “se eu pudesse voltar eu falaria ‘você consegue’ para mim mesma”. 

Parrilla ainda aproveitou o momento para valorizar a diversidade, destacando o papel de Once Upon a Time no processo, trazendo os contos de Ffdas clássicos para a atualidade: “Hoje nós temos uma Ariel Negra. Com a evolução e as mudanças nós recebemos princesas latinas, princesas negras… E eu amo isso”. O momento foi arrebatado com gritos da plateia que apoiaram suas falas girl power: “Mulheres realmente arrasam”. 

Aproveitando o momento, Parrilla foi questionada sobre quem, no mundo dos super-heróis, ela gostaria de interpretar nas telas: “Interpretar Regina foi como interpretar uma heroína para mim. Ela é minha Mulher-Maravilha”. Mas a resposta de fato veio logo em seguida, quando ela reiterou que gostaria entrar no universo da ação e que sabe lutar: “Eu adoraria ser a Mulher-Gato”, ela completou. O papel pode ter ficado com Zöe Kravitz em The Batman, mas se dependesse dos fãs no Auditório Cinemark, o papel seria dela. 

Via Agências