Com a polêmica recente a respeito da manifestação política de um jogador de Hearstone, da Blizzard, a Riot Games, responsável por League of Legends, resolveu se manifestar a respeito e disse que seus seus jogadores e narradores não devem fazer manifestações em canais oficiais da empresa.

John Needham, chefe global de esportes digitais de League of Legends, publicou uma carta aberta à comunidade de LoL no Twitter.

Acompanhe:

Como uma regra geral, nós queremos manter nossas transmissões focadas no jogo, no esporte e nos jogadores. Nós servimos fãs de muitos países e culturas diferentes, e nós acreditamos que essa oportunidade vem ao separar opiniões pessoais em assuntos sensíveis“, diz Needham.

Nossa decisão também reflete no fato de termos funcionários da Riot e fãs em regiões onde há instabilidade social ou política, incluindo lugares como Hong Kong“, ele completa.

Caso Blizzard

No caso da Blizzard, por outro lado, a com panhia puniu severamente Chung “Blitzchung” Ng Wai após o jogador ter clamado por “Liberdade para Hong Kong” durante o Hearthstone Grandmasters. Ele teve de devolver o seu dinheiro de premiação e ficar um ano sem participar de torneios oficiais da Blizzard.

Com muita pressão da comunidade e promessa de protestos para a BlizzCon 2019, a empresa resolveu punir o jogador com 6 meses de participar de suas competições e devolveu a premiação.